Florence + The Machine - Dance Fever
May 14, 2022
80
Inteirados num conceito instigante e um tanto quanto curioso para com a criação de seu novo álbum, Florence Leontine Mary Welch — vocalista líder da banda — e Isabela Summers, Tom Monger e Robert Ackroyd, Christopher Lloyd Hayden, Mark Saunders e Rusty Bradshaw (demais membros contribuintes da banda 'Florence + The Machine') vão juntos de Jack Antonoff e Dave Bayley dá início a confecção daquilo que conseguiria acender um favor dançante na alma do ouvinte.
O que o criativo e bem desenvolvido conceito de 'Dance Fever' pudera deixar-me entusiasmado para com o seu lançamento o conhecimento dos nomes por trás de sua produção musical me deixou preocupado, ou seja, muitíssimo. Não que Jack e Dave sejam ruins em seu trabalho (em relação ao Jack eu tenho total certeza de que ele é muito bom no seu ramo, já o Dave não muito), mas levando em conta a soma geral dos recentes trabalhos com quais ambos tiveram trabalhado recentemente, o resultado excelentíssimo esperado do trabalho que marcará a retomada de uma das bandas britânicas mais queridas do mundo poderia ficar bastante prejudicado. Senhor Antonoff em 'Solar Power' deixará tamanha liberdade artística na parte produtacional do projeto a sua detentora, Lorde (que possuía ideias meio rasas sobre tropicalidade e boa aventurança), que o deixou o álbum ficar desinteressante e fraco, e Bayley é o vocalista principal do grupo musical 'Glass Animals' — detentor da canção mais irritantemente miserável qualitativamente de 2020, 'Heat Waves' —. Então tudo aquilo que deveria ser a implementação duns tons mais claros e vivos poderia acabar apenas num grande borrão na carreira de 'Florence + The Machine'.
Felizmente, apenas o que tinha de melhor naqueles dois pareceram adicionar a 'Dance Fever'. O álbum foi lindamente bem produzido; com muito amor e emoção. Essa estética medieval renascentista transparecer por entre a cada nota vocal diferida pela cantora, e vocal reproduzida pelos demais membros da banda. O que realça ainda mais a já boa experiência, fazendo-a chegar a níveis transcendentais em certas partes. 'King', canção aquela que deu início a está nova era, também dera a obra com excelência ao transmitir as boas ideias de Florence em sua composição auspiciosa e confrontante sobre a revoltante colocação da mulher como submissa ao querer do homem. 'Free' é aonde desbravamos os bons ares da confiança e liberdade, a qual elevam-na posteriormente a nível ainda superior nas produções 'Dream Girl Evil' (mais uma constatação a forma como corrompida e suja a qual a mulher empoderada é vista pela sociedade) e, com certeza a melhor dentre todas as outras, 'Cassandra'.
Eu diria quê, para mim, o que fez do álbum não conseguir ser páreo aos demais grandes lançamentos dessa semana foi a inconsistência qualitativa que eu e outros usuários pudemos perceber nele. Algumas faixas precisavam ter sido melhor trabalhadas, essa é a verdade. Mas não é nada que possa estraga a experiência.
Track Ratings
1King / 100
2Free / 80
3Choreomania / 70
4Back In Town / 60
5Girls Against God / 70
6Dream Girl Evil / 90
7Prayer Factory / 80
8Cassandra / 100
9Heaven Is Here / 70
10Daffodil / 80
11My Love / 70
12Restraint / 70
13The Bomb / 80
14Morning Elvis / 80
Comments
Sign in to comment.
Advertisement
Rate and review albums along with the AOTY community. Create an account today.
Become a Donor
Donor badge, no ads + more benefits.
More Reviews
Davibitt1234
Maqtheus
GersonAOTY
BaddieBaphomet
ratococacola
JayCrackers
oh
NoOffenseBut
HeyLeo
b4
POPDESIGN
currentjoyys
SnowyFighter
Muju123
Kodan
Advertisement

AOTY July Playlist
Forums